Um rei guilhotinado e um mundo transformado

2

22 de janeiro de 2013 por deglutindopensamentos

Eliton Felipe

luís-XVI

Luís XVI

Ontem, 21 de janeiro de 2013, completou 220 anos da execução do rei Luís XVI da França. Seria apenas mais uma morte de um monarca europeu, não fosse as circunstâncias em que o fato ocorreu.

O ano era 1793 e a França estava no meio de uma Revolução social que já durava quatro anos, fruto do descontentamento da população com a situação miserável em que viviam.

Por mais de quinhentos anos a França vivia no regime absolutista que dividia a sociedade de forma piramidal em três Estados. No topo, como 1º Estado, estava o Clero que, por sua vez, era dividido em Alto e Baixo Clero, o primeiro mais próximo à nobreza e o segundo aos pobres, de qualquer forma esse grupo representava apenas cerca de 0,5% da população francesa da época porém, detinha a maior parte do território e das riquezas do país; no meio da pirâmide estava a Nobreza ou 2º Estado. Composto pela família real francesa e todos os que viviam as custas desses. Parentes, cortesãos, senhores feudais, juízes e altos funcionários burgueses que possuíam títulos e cargos que podiam ser comprados, vendidos e transmitidos aos herdeiros. Esse Estado chegava a aproximadamente 1,5% dos franceses e detinham o poder político e muito dinheiro; Na base da pirâmide estava o Terceiro Estado constituído por burgueses, camponeses sem terra e sans-culottes que eram artesãos, aprendizes e proletários. Esse grupo que representava mais de 90% da população era responsável pelo pagamento dos pesados impostos e contribuições que mantinham a estrutura piramidal em funcionamento por séculos, além disso praticamente não possuíam propriedades e não tinham a possibilidade de ascensão econômica.

Nesse sistema, o rei, escolhido por deus para representá-lo e, portanto, infalível e inquestionável, tinha sempre a última palavra sendo que aqueles que o questionavam eram presos na Bastilha, fortaleza que funcionava como prisão política.

A-QUEDA-DA-BASTILHA

A queda da Bastilha

Em 14 de julho de 1789, o povo, cansado de sofrer nas mãos da nobreza e do Clero, invadiu a prisão e libertou os prisioneiros. O acontecimento não obteve importância histórica pela quantidade de presos libertados (apenas 8), mas pela representação que teve o fato de uma instituição do governo, protegida por soldados armados, ter sucumbido a pressão da população, o que demonstrava o poder que ela possuía.

Em agosto do mesmo ano, a Assembleia Constituinte eliminou os direitos feudais e promulgou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que concedia direitos ao 3º Estado até então reservados apenas para a nobreza e clero, e garantia a maior participação política dos cidadãos franceses.

libertc3a92cc389galitc3a92cfraternitc3a9Sob o lema: “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”, os revolucionários seguiram tomando o poder e guilhotinando os adversários, entre eles o rei Luís XVI e a sua família que, diferente da maioria dos nobres franceses não conseguiram fugir do país. Além disso, os revolucionários reduziram o poder da igreja, distribuindo as terras que lhes pertencia e mostrando que era possível entregar o poder nas mãos do povo.

É claro que, como primeira experiência, o sistema republicano francês não durou muito. Foram onze anos afetados pela pressão estrangeira e pelas discordâncias entre os próprios revolucionários.

Logo após a revolução, o terceiro estado se dividiu em partidos políticos, os Girondinos e os Jacobinos, que passaram a disputar o poder com base em opiniões diversificadas. Os girondinos representavam a alta burguesia e queriam evitar uma participação dos trabalhadores urbanos e rurais na política. Já os jacobinos, representavam a baixa burguesia e defendiam uma maior participação popular no governo exigindo profundas mudanças na sociedade que beneficiassem os mais pobres.

Infelizmente essa disputa fez com que o país ficasse instável política e socialmente o que possibilitou o golpe de Estado dado por Napoleão Bonaparte em 1799, conhecido como o 18 Brumário que encerrou o processo revolucionário.

É necessário, porém, destacar a importância que o processo revolucionário francês teve para o resto do mundo e as conquistas conseguidas por eles e que, até hoje influenciam as constituições da maior parte dos países ditos democráticos.

A Revolução Francesa conseguiu, por exemplo, que fosse decretado a abolição da escravatura nas colônias francesas. Realizou a reforma agrária com o confisco das terras da nobreza emigrada e da Igreja divididas em lotes menores e vendidos a baixo preço aos camponeses pobres. Estabeleceu um teto para preços e salários e garantiu pensões anuais e assistência médica gratuita a crianças, velhos, enfermos, mães, viúvas e indigentes. Elaborou uma Constituição que pregava ampla liberdade política e o sufrágio universal masculino (anda não o direito de voto da mulher). Criou o ensino público gratuito, laico, cientifico e obrigatório, além de fundar o Museu do Louvre, a Escola Politécnica e o Instituto da França.

queda_da_bastilha

“La Liberté guidant le peuple” de Eugène Delacroix é em comemoração à Revolução de Julho de 1830, com a queda de Carlos X.Há nela uma referência a revolução Francesa

A maior parte dessas conquistas foram seguidas por outros países, em todos os continentes, na busca de uma sociedade mais justa e igualitária. O lema “Liberté, Egalité, Fraternité” não foi atingido em sua plenitude, mas fica o exemplo daqueles revolucionários franceses que mudaram a cara do mundo que conhecemos.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Um rei guilhotinado e um mundo transformado

  1. Daniele disse:

    Essa obra de arte representa “La Liberté guidant le peuple” de Eugène Delacroix é em comemoração à Revolução de Julho de 1830, com a queda de Carlos X.Há nela uma referência a revolução Francesa mas não é o motivo da cena.

Degluta conosco...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Capitão Barba Ruiva, a sua livraria virtual

Capitão Barba Ruiva a melhor opção em livros

Baú

O que tem pra hoje?

janeiro 2013
S T Q Q S S D
    fev »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Leitores

Nós que aqui estamos, por vós esperamos.

  • 115,088 pessoas já nos viram

Medalhas do blog

%d blogueiros gostam disto: